domingo, 7 de junho de 2015

Lavosh sem glúten com Hommus para não morrer de vontade de comer pão!!!



Desde que descobri a doença celíaca a dificuldade de comer um pão decente estava sendo bem grande, porque as receitas boas precisam de uma série de ingredientes diferentes que eu não encontrava com tanta facilidade, e outras receitas mais simples que tentei foram um fracasso, cheguei até a fazer uma receita que o pão ficou "cinza cimento". Você acha que deu vontade de comer? risos.
Mas eu não desisti e numa das garimpadas que faço nas livrarias de todo lugar que passo, achei um livro maravilhoso com receitas sem glúten, este livro aqui
Daí colocar a mão na massa, literalmente, e fazer o pão armeno Lavosh, que é um tipo de pão com massa fina (flat bread) comum na Armênia. Ele fica bom para comer com pasta de grão de bico (hommus), que eu ensinei como fazer aqui nesta receita,  ou berinjela (babaganush).
Ficou bem gostoso e crocante.

Ingredientes:
150g de mistura de farinhas sem glúten (receita abaixo)
2 colheres de chá de goma xantana
1/2 colher de chá de sal
2 claras de ovo
15g de manteiga derretida ou ghee
2 colheres de sopa de gergelim

Mistura de farinhas sem glúten para pães:
450g de farinha de arroz
115g de fécula de batata
60g de polvilho doce
60g de maisena
Faz esta mistura e guarda num pote pra ir usando nas receitas de pães.



Preparo:
Pré-aqueça o forno a 200 graus.
Peneire a farinha, a goma xantana e o sal em uma tigela grande. Bata uma clara com 90ml de água e despeje na farinha com o ghee derretido, misture até formar uma massa. Sove levemente em uma superfície enfarinhada com farinha de arroz. Divida em 6 bolas e abra com o rolo de massa até ficarem bem finas como um papel. Disponha em assadeiras, eu usei meu silpat na assadeira para evitar que grudassem. 

Pincele a clara restante sobre o lavosh, salpique o gergelim e asse pos cerca de 15 minutos, até ficarem crocantes e dourados. Você vai ver que a massa incha como um pastel no meio.

TE JURO QUE É MUITO FÁCIL DE FAZER e rende só 6 pães deste, então vc pode guardar por uns 3 dias se quiser num pote bem fechado e fazer sempre pra poder comer fresquinho.





domingo, 3 de maio de 2015

O bolo de cenoura sem glúten mais fofo de todos!!



Vou confessar uma coisa agora!!!
Bolo de cenoura sempre foi meu "calcanhar de Aquiles", pronto falei!

Você deve estar pensando: "Como uma pessoa que tem um blog de culinária pode ter problema pra fazer um bolo de cenoura?"

Eu tinha e não acertava um, todos eles nunca cresceram e eu achei que não ia tentar nunca mais.

Daí vem um dilema. Semana passada comprei umas cenouras na minha cesta orgânica e com o feriado eu viajei e não usei. Hoje cheguei de viagem, com fome e queria usar as cenouras e ingredientes que eu já tivesse em casa, pra não precisar sair mais, então resolvi arriscar.

Quando digo arriscar estou falando muito sério, porque além de ser um bolo inviável por toda a vida, ainda nunca tinha feito um bolo sem glúten que ficasse melhor ou, pelo menos, tão bom quanto uma versão com glúten.

Peguei a receita que achei mais possível dentro da minha cabeça e que tinha os ingredientes que eu já tivesse em casa, claro que mudei alguma coisa (a receita original não tinha goma xantana mas eu coloquei um pouquinho de nada e mudei a cobertura do bolo também) e fui à luta!!!

E???? Acreditem, o bolo ficou o mais fofo que já fiz em toda a minha vida, saboroso (mérito também das cenouras orgânicas e ovos caipiras maravilhosos) e bonito de se ver!!!



Ingredientes:
1 xícara de farinha de arroz peneirada
1 xícara de polvilho doce peneirado
1 xícara de óleo
1 xícara de açúcar demerara
2 cenouras bem lavadas e raladas
1 e 1/2 colher de sopa de fermento em pó
1 pitada de sal
1/2 colher de café de goma xantana
3 ovos


Primeiro lavei e ralei as cenouras no processador, e daí no próprio processador, troquei o ralados pela hélice similar do liquidificador e juntei com a cenoura o óleo e bati tudo até fazer uma pasta homogênea.
Neste ponto juntei os ovos um a um sem desligar o processador e juntei o açúcar e o sal e deixei bater bem.

Despejei este conteúdo líquido em um recipiente e comecei a juntar os outros ingredientes (farinha e polvilho) e bater com um fouet. Por último incorporei a goma xantana e o fermento e despejei em duas formas (uma de bolo inglês e outra redonda menor) untadas e enfarinhadas com farinha sem glúten.

Levei ao forno pré-aquecido a 180 graus até fazer o teste do palito e ele sair limpinho.

COBERTURA
Não sou fã daquelas coberturas que fazem para bolo de cenoura, gosto de coberturas cremosas e densas.
Então fiz uma que sempre uso nas minhas panquecas doces.
Peguei Nutella e uma caixinha de creme de leite e coloquei numa panela em fogo baixo até a Nutella incorporar totalmente no creme de leite. A quantidade vai do gosto de cada um, pois tem que ficar de uma cor de chocolate, se colocar pouca Nutella fica muito claro.
O sabor fica bem suave por causa do creme de leite e eu adoro.
Já experimentei e ficou delicioso!!!



terça-feira, 28 de abril de 2015

Pancakes americanas sem glúten e sem lactose



Ai que alegria, vocês nem podem imaginar. Eu sou uma apaixonada por pancakes, sempre fui, e quando descobri a intolerância achei que tudo estava perdido, até encontrar ontem esta receita e tentar fazer hoje cedo e?
Voilá

Deu certo meu povo, ficou igualzinha a consistência, e o gosto ainda melhor porque usei o leite de amêndoas no lugar do leite comum.

Ai que felicidade!!!!

Quer ficar feliz também? Vai no supermercado comprar amêndoas pra fazer seu leite, se não sabe como fazer é só me deguir no meu insta @detoxagora que eu coloquei a receita lá e depois fazer esta delícia!!!!

Ingredientes:
1 xícara de chá de farinha de arroz
1 colher de sopa de açúcar (eu uso só o demerara)
1 colher de chá de fermento em pó
1 pitada de sal
1 ovo (uso o caipira)
1 xícara de chá de leite de sua preferência (eu usei o de amendoas, mas vc pode usar o comum, ou de soja, ou de arroz, qualquer um)
1 colher de sopa de óleo (aqui eu usei meu ghee que vc também encontra instruções de como fazer no meu instagram @detoxagora)
1 colherzinha de baunilha (opcional)



Preparo:
É tão simples que da até dó, misturei todos os secos com uma colher mesmo e nem peneirei nem nada, depois em outra vasilha eu bati os liquidos com um fouet e depois juntei tudo e bati bem com o fouet até ficar homogêneo.
Untei uma frigideira com um minimo de ghee, só pra não grudar e depois coloquei um concha pequena da massa.
Quando começam a aparecer os furinhos na superfície dela, é só virar e fritar o outro lado, com cuidado pois a massa é bem delicada ok?

Você pode comer com geléia, como eu fiz com banana e mel, como minha filha comeu com Nutela :) e até com salgados, com ovos mexidos fica divino.

Vai ser feliz!!!!



domingo, 1 de março de 2015

Receitas sem glúten, muitas pra você!!

O post é bem rápido, é mais pra ajudar e dar uma explicação.

Eu tenho muitas receitas aqui no blog que devem ser sem glúten, por coincidência, pois antes do diagnóstico eu não prestava atenção nisso, mas agora presto, e muita.

Então resolvi fazer um trabalho de formiguinha e vou abrir cada receita e colocar um "marcador de sem glútem" naquelas liberadas, assim quem frequenta meu blog e também é celíaco pode procurar no menu de marcadores aí do lado direito e ir direto nas receitas sem glúten ok?

Vai demorar um pouco pra classificar todas, mas vou colocando pra vocês certo?




sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Pavê sem glúten "milionário" no vidro e minha larica que será satisfeita!!!



Vamos começar do começo certo?

Primeiro, porque o título chama pavê "milionário"? 
Sempre que eu via uma receita simples de pavê na internet ou em sites de culinária, o título era "pavê de pobre", não sei de onde vem o nome, pode ser por conta da simplicidade dos ingredientes, já que os pavês de pobre eram feitos com um creme branco, um de chocolate e biscoito de maizena, suponho que seja este o motivo.

Aí passamos para outra etapa da história, eu não comia pavê há anos, não sei se porque não era um doce usual da minha mãe e nunca tive este costume, ou se tem outro motivo que ainda não descobri, mas o certo é que quando conheci meu noivo, um dia ele disse que ia me fazer uma especialidade dele, um pavê delicioso!!!
O QUE?????????
Não era delicioso minha gente, era dos deuses e eu nem achava pavê um doce assim tão bom, mas comi um refratário inteiro em 2 dias e depois disso fiquei viciada no maldito doce.

Lindo né? Romântico?
Pois é, mas daí veio logo em seguida a danada doença celíaca, comecei a ver tudo o que podia e não podia comer, e o dia que me dei conta que o pavê era de biscoito de maizena (e apesar de maizena não ter glúten o biscoito tem) e que eu não poderia comer mais este doce quase tive uma depressão :). Exageros à parte, fiquei meio que obcecada pra comer o tal doce que me conquistou, mas não achava uma bolacha que desse pra colocar no lugar (não se esqueçam que moro no interior e a variedade aqui é uma #$#%$#$@$#8), continuando...

Ontem fui no Supermercado de uma cidade vizinha e vi um pacote de biscoito Maria sem glúten e a cabeça na hora já pensou: "Posso fazer pavê com este biscoito no lugar do outro" eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

Sabe quanto custa um pacote de biscoito de maizena em média? R$3,00 um pacote de 200g
E quanto custa o Maria sem glúten? R$ 13,90 o pacote de 125g

Então gastei o equivalente a uma pizza só com biscoito (dói, mas a vontade era de matar), respirei fundo e mudei o nome do pavê pra PAVÊ MILIONÁRIO kkkkk, afinal de contas este vai ser o pavê mais caro da minha vida, mas como segunda-feira é meu aniversário e vai ser o primeiro ano sem bolo de festa por causa do glúten, eu enfiei na minha cabeça que merecia e pronto.

História comprida né? Mas eu tinha que dividir kkkk

Daí resolvi me fazer um outro agrado, e enfeitar meu pavê fazendo ele num pote de vidro bem lindo que nem estas sobremesas que a gente vê nas fotos do Pinterest, porque eu também mereço, e acabou que fiquei maravilhada com meu pavê que está na geladeira curtindo pra ficar maravilhoso e eu comer amanhã depois do bife à parmegiana sem glúten que meu pai vai fazer pra mim. Ufa, vamos ao que interessa, a receitinha bem fácil que você pode fazer com biscoito normal se quiser ok?
Esta é a minha versão modificada do pavê porque nunca sei fazer a receita igual me ensinam...é um vício e porque a do meu noivo é muito boa, a minha vai ficar diferente por causa da bolacha e ainda não provei pra saber.



Creme branco:
1 litro de leite
2 colheres de sopa de maizena
1 lata de leite condensado
4 gemas
baunilha à gosto
1 caixinha de creme de leite em temperatura ambiente

Coloque todos os ingredientes, menos o creme de leite em uma panela e mexa até engrossar (não pode ficar nem mole e nem duro demais, pra podes espalhar por cima das bolachas sem molhar demais e deixar elas moles).
Outra coisa, dissolva a maizena num copo de leite antes de colocar na mistura, pra não sobrar pelotes dela no creme ok? Espere este creme esfriar bem (mexa de vez em quando pra não formar aquela película por cima) e quando estiver frio misture o creme de leite.
Reserve

Creme de chocolate:
1 lata de leite condensado
1 colher de sopa cheia de margarina
2 colheres de sopa de chocolate em pó

É tipo um brigadeiro mais mole, mas eu sou metida demais e coloquei chips de dark chocolate da Callebaut (uma mão cheia) e creme de leite fresco (cerca de meia xícara).
Coloque no fogo e mexa até começar a engrossar, mas não muito senão não espalha por cima do doce depois.

Começo o fundo do vidro com uma camada do biscoito banhada no leite com chocolate em pó, depois uma camada de creme branco, mais uma de bolacha, e outra de creme branco.
Daí eu fiz uma camada de amêndoas sem casca trituradas grande (opcional) e coloquei mais uma de creme branco.
E finalizei com a última camada de bolacha, creme branco e por cima de tudo o brigadeiro.



Uma coisa horrorosa!!!!!
Depois coloque na geladeira de preferência de um dia pro outro, pra bolacha absorver o sabor do creme....ai, tenho que ir comer o meu, não vai dar pra esperar amanhã não. Licença...FUI!!!



O pão de queijo, paixão nacional, e a salvação dos celíacos de primeira viagem!!

Hoje não estou aqui pra colocar a receita do pão de queijo, porque como ele é uma paixão nacional, a coisa mais fácil que tem é achar uma receita dele na net hoje em dia, eu mesma já fiz umas duas diferentes aqui no blog e basta você procurar no menu de receitas ao lado que você vai encontrar.

Só apareci por aqui mesmo pra falar que é difícil sim, mas existe vida após a falta de glúten, kkkkk. às vezes é uma vida cara e um pouco cansativa, mas estou me adaptando e o pão de queijo tem sido um curinga pra minha salvação.

Porque não vai trigo na massa, só polvilho, então tá liberado e fica igual, não é uma receita que teria que adaptar sem o trigo e que não fica com o mesmo gostinho.

Deu vontade de comer pão (pão de queijo), tá na rua e não tem o que comer (pão de queijo), viajou e precisou comer na estrada (pão de queijo), afinal de contas, tenta entrar em um Frango Assado na estrada ou qualquer outra lanchonete de Posto de Gasolina e comer alguma coisas gostosa e sem glúten hahahahaha, tenho dó até de mim que já cheguei a ficar mal humorada enquanto filha e marido se esbaldavam em toast e coxinha e eu só olhando.

Esta é a foto do último pão de queijo que virou regra aqui em casa quase e este fim de semana tem uma receita de doce delícia aqui, porque ontem eu estava numa inspiração só, deve ser porque vai ser meu aniversário segunda e não vou poder comer o de costume e me rebelei :).

um grande abraço pra quem passou por aqui e força pros celíacos.




terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Torta de liquidificador sem glúten e meu recém diagnóstico

Pelo título do post vocês já devem fazer uma vaga idéia que a pessoa que vos fala foi diagnosticada com doença celíaca há pouco mais de 2 semanas, isso mesmo minha gente, justo eu que gosto tanto de cozinhar e comer, fazer o que né?
Não vou ficar reclamando não, afinal o que é meu está guardado por algum motivo, então vou à luta. Assim que peguei o exame da biópsia a antes mesmo de falar com o médico já tomei a decisão de cortar o glúten, no meu caso por necessidade, e não por dieta ou moda. e agora vocês terão aqui muitas idéias e novidades para celíacos ou não, afinal qualquer um pode comer uma comida gostosa sem glúten, certo?

A primeira tentativa de receita foi um desastre, fiquei doente pra comer um bolo com café da tarde, mas a receita que peguei (marinheira de primeira viagem) ficou tão ruim que foi pro lixo sem ao menos ser experimentado, não dáva pra colocar aquilo na boca.

Me decepcionei e achei que estava perdida com as receitas sem glúten, mas resolvi encarar de novo e fiz esta receita para o aniversário da minha mãe, afinal ia ter salgadinhos (não posso comer), bolo de aniversário (também não posso comer), então tinha que me virar. Confesso que foi delícia e comi a torta com um vinho branco bem geladinho....:) porque vinho pode eeeeeeeeeeeeeeeee.




Melhor parte é que é prática, porque é de liquidificador, e vc pode usar o recheio que estiver sobrando em casa.
Só tome cuidado pra não colocar recheios muito pesados, porque a massa da torta fica bem líquida mesmo (não estranhe) e o recheio pesado ia acabar queimando no fundo.
Por ser muito líquida também a massa, você deve usar o forno mais fraco do que de costume, para dar tempo de assar tudo e não queimar o fundo ok?
E por último, acho bom dizer que como tem amido de milho na massa, bata muito bem no liquidificador, pois senão podem ficar algumas "bolotas" de amido sem dissolver depois.

Vamos ao pecado:

Massa
3 ovos
meio litro de leite
sal à gosto 
noz moscada à gosto (coloquei bem pouquinho e aqui você pode variar com temperos do seu gosto pessoal)
1 xícara de fubá
200 gramas de amido de milho (maizena)
1 xícara de óleo
1 colher de sopa de fermento em pó
queijo ralado para polvilhar por cima

Preparo
Bata tudo muito bem no liquidificador deixando o fermento por último. Só no final coloque o fermento e bata bem pouco só pra ele misturar com o líquido.

Coloque metade da massa em uma forma refratária untada com óleo de soja e amido de milho, depois coloque o recheio e cubra com o resto da massa, polvilhando com queijo ralado por cima.

Eu coloquei no recheio uma lata de atum espalhada pela torta, milho de lata também espalhado e palmito picado (claro que nada disso tem glúten) ufa!!!

Leve ao forno pré-aquecido por mais ou menos 35 minutos até dourar. Depois vai pro abraço porque celíaco também tem que ser feliz em festa de aniversário né gente.