sábado, 17 de julho de 2010

Brigadeirão da Tia Ilza depois de uns 20 anos.



Eu tenho uma tia chamada Ilza...e não a vejo há muitos anos, mas estes dias acordei com uma vontade de comer doce e não sabia o que fazer. Olhei na net, pesquisei todos os blogs que gosto em busca de algo gostoso, fácil e que eu já tivesse todos os ingredientes...e nada fez TCHAM...
Daí tive um flashback fortíssimo, lembrei da Tia Ilza, lembrei que quando criança eu AMAVA brincar na casa dela e passar férias lá. E ela é uma cozinheira excepcional, não porque estudou e nem porque se matava para fazer coisas deliciosas, mas porque simplesmente tinha este dom.
Ela pegava uma receita qualquer e fazia uma obra de arte...
E ela deixava a gente ver, explicava e ensinava. Acho que nenhuma das 2 filhas mulheres dela (minhas primas) perpetuaram o dom...risos...mas eu fui altamente influenciada.
Até hoje me lembro dela virando esta receita dentro da forma para ir ao forno e raspando com uma espátula até o recipiente estar sem uma gota de doce...daí me disse "A gente tem que raspar tudinho, não pode desperdiçar deixando resto..." e sem querer, até hoje quando raspo uma panela até para transferir resto de comida para colocar na geladeira, não consigo evitar de raspar até o último grão de arroz.
Esta receita tem o cheiro, o gosto e até a cor da casa dela...lembro até da cozinha...e foi ela que eu fiz, depois de quase 20 anos, para comer neste dia.
Não faço sempre porque é uma BOMBA de engordar (mas é um absurdo de sabor).
Tem uma casquinha que fica no fundo do pudim quando a gente desenforma que é o TCHAMMMMMM que eu estava procurando aquele dia.


Brigadeirão.
5 gemas
2 latas de leite condensado
1/2 medida da lata de leite de vaca
6 colheres de chocolate em pó (ou cacau em pó se quiser mais amargo)
caramelo para caramelar a fôrma

Bater tudo no liquidificador e despejar na fôrma de pudim ou em formas individuais já previamente caramelizadas (eu uso o caramelo que minha mãe faz para mim uma quantidade grande e deixo na geladeira, num vidro, para estas ocasiões). Assar em banho maria como um pudim e esperar esfriar para desenformar (tem que passar uma faquinha na lateral bem onde fica a casquinha, porque ela gruda na fôrma.

4 comentários:

ELIANE TAVEIRA disse...

Fer, que atentado esse brigadeirão!!! Coisa bótima = muito mais do que boom, só pode ser bótimoo!

Bjos

Eliane

milena disse...

Adorei a introdução! Como é bom lembrar da nossa infância né?Na casa da minha avó os restinhos de massa de bolo eram concorridíssimos, tinha fila prá raspar a tigela rsrsrs.
Meu filho é apaixonado por brigadeirão...vou fazer a receita da Ilzinha depois te falo!
Beijo
Milena

ELIZABETE disse...

GOSTO DE RECEITAS COM HISTÓRIA DE FAMÍLIA, E ESTE BRIGADEIRÃO ME TROUXE LEMBRANÇAS DA MINHA VIDA DE RECEM-CASADA MORANDO NO RIO DE JANEIRO. VENHA ME VISITAR NO APRESSADOS! BEJOS!

Anônimo disse...

Que marravilha !!!!!!!!! Passa p gente a receita do caramelo q vc guarda na geladeira.
Bjs
Eliane