domingo, 30 de setembro de 2012

O doce de goiaba que virou bolo e a Martha Medeiros

Acabei hoje de ler um livro da Martha Medeiros chamado "Feliz por Nada" e nele encontrei em algumas crônicas uma simplicidade de pensamentos e de modo de vida que é a simplicidade que eu tento cultivar e que quero pra minha vida, e por isso em vários momentos da leitura me peguei rindo alto em lugares públicos, ou por me reconhecer em várias situações ou por me imaginar em outras muito possíveis de acontecer.
Tem muitos pensamentos que me marcaram e tentei até citar algum aqui, mas se tirasse um pedaço to texto, ele já não teria a mesma graça do texto inteiro, então recomendo mil vezes...leiam.




E falando em simplicidade, andava meio cansada da minha cozinha, não porque não gostava mais de cozinhar, mas porque esta "moda" que pegou agora de todo mundo querer ser chef de cozinha e ser melhor que o outro, e fazer receitas mais difíceis pra mostrar do que é capaz...afe...isso me cansou.
Eu gosto do simples...lembra?
Gosto de cozinhar coisas simples, para os paladares da minha casa, para os ingredientes restantes da minha despensa, para criar.
É claro que como todo mundo de vez em quando me arrisco numa super sofisticada receita pra me desafiar...mas isso não é rotina...é exceção.
Então eu tinha um vidro de doce de goiaba que eu trouxe da minha visita lá na Vagafogo, e quando minha mãe experimentou na hora já disse que estava muito doce para o paladar dela.
Lá vou eu com o vidro pra casa pensando: "Ou eu faço alguma coisa com este doce agora que já abri, ou vai estragar. E o que vou fazer que não fique muito doce?"
Claro que peguei uma receita básica, mudei uma coisa aqui, outra ali, e usei o doce pra fazer um bolo delicioso que não durou 24 horas.




Ingredientes:

2 xícaras do doce de goiaba batido no processador com a calda até virar um purê
4/3 de xícara de açúcar
2 ovos batido
2/3 de xícara de óleo
2 colher de chá de bicarbonato de sódio
2 colher de chá de fermento em pó
1/2 xícara de farinha de amêndoa (amêndoas trituradas no processador)
3 xícaras de farinha de trigo

Misture: o purê de goiaba, óleo, açúcar e o ovo em uma vasilha e reserve.
Em outra vasilha misture: farinha, fermento e bicarbonato peneirados e a farinha de amêndoa sem peneirar.


Depois junte uma mistura na outra até incorporar.


Usei uma fôrma redonda com fundo removível, untada e deixei assar até dourar e estar completamente assado por dentro.


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Super novidade culinária que vale um post.

Eu gosto muito de passar minhas madrugadas fuçando a net...procurando novidades. E hoje tive o prazer de achar esta idéia que achei super original e criativa.

Para uma super apaixonada por queijo como eu, delirei...pensa.

É o queijo parmesão em lápis...isso mesmo...olha só.


O kit vem já com o apontador, para você "apontar" seu queijo onde quiser.


A idéia é muito divertida






sábado, 15 de setembro de 2012

Salada Caesar com molho do Outback


A vontade de hoje era de comer só uma picanha bemmmmmmmm mal passada...risos. Os vegetarianos que me desculpem, mas só não larguei a carne de vez ainda por causa destes prazeres.




Como carne vai super bem com salada, resolvi matar minhas saudades de uma boa Caesar...alface americana fresquinha que comprei na feira hoje de manhã, croutons de alho do Pão de Açúcar, queijo ralado na hora da melhor qualidade e o molho...


MOLHO CAESAR DO OUTBACK (que eu coloco menos pimenta-do-reino)
Ingredientes:
1 xícara (chá) de maionese
1 ovo
1 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
2 colheres (sopa) de água
2 colheres (sopa) de azeite
1 e 1/2 colher (sopa) de suco de limão
1 colher (sopa) de pasta de anchova (anchovas em conserva batidas no liquidificador e passadas na peneira para tirar as espinhas)
2 dentes de alho amassados
2 Colheres (chá) de açúcar 
1/4 colher (chá) de pimenta do reino
1/4 colher (chá) de sal

Modo de preparo:
Bater tudo na batedeira. 
Colocar em um pote e deixar descansar por algumas horas para que possa ficar mais saboroso.
Não usar queijo Parmesão de saquinho. Use um parmesão de boa qualidade ralado bem fino na hora.




Simplesmente divino e só.

Biscoito Fofo sem glúten


Família de mineiro sabe como é né? Adora um pão de queijo e um biscoito fofo. Pode morrer de azia depois, não tem problema. Toma o remédio antes e manda ver o biscoito por cima...risos.
A família do meu pai é de Alfenas e não tem um café aqui em casa que não tem pão de queijo, mas estávamos com muita saudade de comer biscoito fofo, que aqui a gente come na refeição principal.
COMO?
Faz o biscoito bem grande. Corta ele ao meio e recheia com carne de porco assada.
Pensa na delícia....só de lembrar já salivei. Um destes bem grandão cheinho de carne que acabou de sair do forno super saborosa e um sanduíche perfeito.

Tem um pedacinho de um poema que eu gosto muito que diz assim:

"Ser mineiro é ver o nascer do sol e o brilhar da lua;
é ouvir o cantar dos pássaros e o mugir do gado;
é sentir o despertar do tempo e o amanhecer da vida"
José B Queiroz

Então, em homenagem ao amanhecer da vida vamos à receita.

Ingredientes:
4 xícaras de polvilho azedo
1 ovo batido
1 colher de sopa rasa de sal
1 xícara de óleo
1 xícara de leite
1 xícara de água fria

Colocar o polvilho em uma vasilha e jogar a água. Aguardar uns 10 segundos e sovar o polvilho com a água (pegue uma quantidade e esfarele entre suas mãos até os blocos virarem pó de novo)
Ferver o leite e o óleo juntos e jogar na massa e misturar. Depois jogar o ovo batido.
A massa deve ficar bem mole mesmo.
Daí é só colocar dentro de um saquinho toda a massa, cortar a ponta do saquinho com uma tesoura e usar como bico de confeiteiro para colocar em forma levemente untada. Eu faço eles compridos (para depois rechear como pão) e é preciso colocar longe um dos outros, pois eles crescem bastante.
Eu assei em forno elétrico até dobrarem de tamanho e ficarem doutados, mas pode-se assar também em forno convencional.




segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Mini cuscuz de camarão pra cumadre

Uma das metas que eu tenho deste ano, é ter mais tempo pros meus amigos (que na verdade são contados nos dedos das mãos), pois eles merecem todo o carinho que eu possa dar nesta vida.
Sendo assim, semana passada convidei minha cumadre pra um café da tarde na minha casa. Coisa bem simples: pão, requeijão, suco natural, bombons do aniversário da minha filha e este mimo que fiz pra ela.
Os potinhos vieram da viagem pra Seattle....imagina se não veio uma mala cheia de coisas de cozinha né?



Cada um faz cuscuz de um jeito e com um recheio diferente, mas o mimo é que importa certo?
Assim como cada amigo é de uma maneira diferente e eles se complementam na arte de estar presentes na nossa vida o tempo todo.