quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Risoto de abóbora e camarão no fubá e a cerveja que não chegou




Meu pai fez aniversário no começo de outubro, e eu sempre tenho dificuldades pra comprar presente pra ele, então todo ano é aquele perrengue. Este ano vi numa revista uma publicação sobre estes clubes da cerveja na internet. Sites que você pode ser assinante e receber cervejas pra degustação mensalmente ou pode adquirir separado os kits que eles tem.

Fiquei contente, era um presente bem legal. Eles tinham um kit de degustação pra iniciante, com 6 rótulos diferentes e achei que era uma boa experiência pra gente curtir junto. Comprei um kit pra mim e outro pra ele. Olhei a ficha técnica de cada cerveja e todas elas tinham em comum o fato de harmonizarem bem com camarão. Então saio à caça de uma boa e original receita de camarão e encontro esta numa Claudia e Cozinha muito antiga que eu tinha. PERFEITO!
Marco um almoço (considerando a data da entrega da encomenda) e um dia antes do dia, nada de chegar a tal cerveja.

Entro em contato com a loja que me diz que está com falta de um dos rótulos e pede pra substituir. "Sem problemas" penso eu, mas tenho que adiar o almoço pro outro fim de semana.

Outra semana e nada...resumindo. Demorou mais de um mês, muitos email e telefonemas sem resposta e quando dei um ataque no telefone a moça me garante que vai entregar em dois dias, pede desculpas e diz que vai me reembolsar o valor. A cerveja chegou, o reembolso ainda não. Mas acabei fazendo o risoto sem a cerveja, senão meu pai ia comemorar o aniversário dele sei lá quando.

Ainda bem que a receita é dos deuses, de lamber os beiços e meu pai simplesmente amou...ufa!

Ingredientes:
600g de abóbora cortada em pedaços, sem sementes e com casca
sal e pimenta-do-reino à gosto
1/2 kg de camarão médio, sem casca e sem cabeça, com o rabinho
3 dentes de alho picados
8 colheres de sopa de azeite
1 xícara de fubá
1 cebola grande picada bem fino
1 e 1/2 xícara de arroz arbóreo
1/2 xícara de vinho branco seco
5 xícaras de caldo de legumes fervente (eu usei o caldo que eu mesma faço com salsão, cenoura, cebola e alho poró)
1 colher de sopa de manteiga

Preparo:
Em uma assadeira untada com azeite, leve a abóbora ao forno quente (200 graus), temperada com sal e pimenta-do-reino e coberta com papel alumínio por 30 minutos ou até ficar macia.
Retire a casca e bata no processador até formar um purê. Reserve.
Em um saquinho zip-loc ou outro qualquer tempere o camarão com o alho, 1 colher de sopa de azeite, sal e pimenta e deixe marinar por 30 minutos. Junte o fubá e sacuda bem. Reserve.
Em uma frigideira funda, aqueça 3 colheres de sopa de azeite e refogue a cebola em fogo baixo até começar a dourar. Adicione o arroz e refogue por mais um minuto. Acrescente o vinho, aumentando o fogo e deixe evaporar por alguns minutos.
Abaixe o fogo para médio e cozinhe, acrescentando uma xícara do caldo de legumes fervente por vez e mexendo sempre, de 10 a 15 minutos ou até que o arroz absorva todo o caldo e fique al dente.
Enquanto isso, em outra frigideira, aqueça o azeite restante e frite os camarões em fogo alto por 2 minutos de cada lado ou até que fiquem ligeiramente dourados. Escorra sobre papel absorvente e reserve no forno aquecido.
Esquente o purê de abóbora de já estiver frio, misture ao risoto ainda na panela e cozinhe por mais um minuto.
se necessário, tempere com sal.
Coloque a manteiga, tampe a panela, desligue o fogo e deixe descansar por 3 minutos, incorporando a manteiga em seguida.
Sirva o risoto com os camarões por cima.







domingo, 20 de outubro de 2013

Cuscuz marroquino com linguiça e meu pai se rendeu.



Desde que eu descobri o cuscuz marroquino, há anos atrás, já fiz uma variedade imensa de pratos com ele. Por ser rápido de fazer e versátil (pois fica bem com tudo), uso sempre mesmo. Adoro pegar aquelas fôrmas com o resto todo de uma boa carne de porco assada e jogar a farinha do cuscuz por cima e água quente e esperar pra todo aquele sabor se juntar e comer feliz da vida.
Mas tinha um porém, sempre que eu fazia cuscuz pra minha família eu ouvia meu pai dizer que não gostava e que cuscuz não era bom.
Fiz outro e nada.
Daí virou um desafio...risos. 
Há uma semana eu fiz um com alho-poró, cenoura e uns temperos e ele confessou que tinha gostado daquele. Daí dei de cara com esta receita, e como sei que ele adora uma carne, ainda mais coisa tenperada, resolvi adaptar pro meu paladar e fazer esta delícia.
Ele comeu, repetiu, elogiou um monte de vezes e mudou sua opinião pelo cuscus. YES, nós vencemos (eu e o cuscuz claro).
Então pra quem não conhece aqui embaixo tem uma breve explicação e em seguida a receita.

Cuscuz é um prato árabe originário do Magrebe (região do norte de África) que consiste num preparado de sêmola de cereais, principalmente o trigo. No Brasil, pode ser feito à base de farinha ou polvilho, de milhoarroz ou mandioca. Salgada e levemente umedecida, a massa é posta a marinar para incorporar o tempero. Daí, tem a sua cocção pela infusão no vapor. Pode ser incrementado com outros ingredientes, como é o costume do sudeste do Brasil, ou apenas ir acompanhado de leiteovosmanteiga ou carne-de-charque, como é a preferência no nordeste.  (Wikipédia)

Ingredientes:
700 g de linguiça (usei aquela fininha da Sadia que vem enroladinha à vácuo)
2 colheres de sopa de azeite
1 alho-poró picado
Pimenta biquinho à gosto (ou não coloque se não gostar)
2 latas de tomate pelado em pedaços
1/2 xícara de água
2 xícaras de cuscuz marroquino
sal e tempero à gosto
2 colheres de sopa de manteiga

Preparo:
Corte a linguiça em pedaços pequenos e use metade do azeite pra fritar até dourar. Escorra num papel de fritura e reserve.
Na mesma panela, acrescente o azeite restante e refogue o alho-poró até ficar macio.
Junte a pimenta biquinho, mexa bem. Despeje os dois molhos de tomate, o 1/2 copo de água e devolva as linguiças neste molho.
Tempere com sal e pimenta.
Abaixe o fogo e deixe cozinhando com a panela semi tampada por cerca de meia hora até ter um molho bem encorpado.
Enquanto isso, em outra tigela junte o cuscuz com 2 xícaras de água quente temperada com sal e deixe descansar, tampado, por 5 minutos.
Depois deste tempo, com um garfo, solte o cuscuz, misture a manteiga e reserve.
Sirva o cuscuz com o molho de linguiças por cima.



quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Gelatina colorida pra minha "cataporinha"



Minha filha está com catapora e, como me lembro muito bem de quando tive a minha, fico com pena só de olhar. É catapora pra todo lugar que se olha e a lindinha nem reclama, leva tudo no maior bom-humor do mundo, porque é uma "santa".
Mesmo assim eu mimo mesmo, compro comidinha diferente, vou pra cozinha. Faço o que for.
Então eu tinha guardado esta receita de gelatina colorida tão simplesinha, mas tão gostosa pra distrair uma criança, que não tinha ocasião melhor.
Ela me ajudou a fazer as camadas com a maior paciência pra depois poder atacar...risos.


Ingredientes
3 pacotes de gelatina colorida (uma de cada)
900ml água quente
900ml água gelada
195g leite condensado

Modo de preparo
Prepare separadamente cada uma das gelatinas de acordo com as instruções da caixa, mas usando 150 ml de água quente e 150 ml de água fria para cada pacote.
Depois de dissolvidas separar cada cor em duas partes e em uma das partes de cada uma adicionar 65g de leite condensado. Terá assim 3 cores da gelatina pura e 3 cores das mesmas com o leite condensado.
Coloque uma camada da gelatina pura de uva por exemplo no fundo de um copo e leva pra gelar até endurecer. Depois coloque uma camada da mesma gelatina com o leite condensado e vá alternando assim até acabar com os 3 pacotes e com as 6 camadas.


sábado, 29 de junho de 2013

Bolo de limoncello




Quando a gente gosta de cozinhar sempre tem uns blogs preferidos que a gente gosta tanto que gostaria de fazer todas as receitas, este de onde tirei esta receitinha é um deles, e fazia muito tempo que não fazia uma receita de lá. Então hoje estou matando as saudades totalmente.
Além do que, além do blog ser uma delícia, a Patricia Scarpin também é apaixonada, assim como eu, por um belo sabor a aroma de limão siciliano (não existem muitos cheiros que eu goste tanto quanto este).

Voltar a cozinhar com regularidade também é mais uma das metas de mudanças que me propus pra voltar a fazer coisas que me dão uimenso prazer e que estavam guardadas em algum lugar mofado aqui dentro...mas tenho tirado o pó de tudo que me faz bem e estou de volta.

Então segue a receita que me conquistou pra matar a saudade.

Bolo:
1 xícara de iogurte natural integral
2 ovos
1/3 xícara (80ml) de óleo
raspas da casca de 2 limões sicilianos
suco de 1 limão siciliano
1 colher (chá) de extrato de baunilha (usei baunilha em geléia concentrada que trouxe de Seattle)
1 xícara (200g) de açúcar cristal
½ xícara (120ml) de limoncello (bebida feita de limão siciliano)
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ½ colheres (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal

Glacê:
¾ xícara (105g) de açúcar de confeiteiro
½-1 colheres (sopa) de suco de limão siciliano, mais se necessário





Bolo: pré-aqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma retangular de 20x30cm.
Em uma tigela grande, misture com o batedor de arame o iogurte, os ovos, o óleo, as raspas e o suco de limão. Junte a baunilha, o açúcar e o limoncello e misture bem.
Em uma tigela, misture a farinha, o fermento, o bicarbonato e o sal e incorpore-os à mistura de iogurte – não bata demais. Despeje na forma preparada e asse por 20-25 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha.

Glacê: peneire o açúcar de confeiteiro em uma tigelinha. Aos poucos, acrescente o suco de limão, misturando com uma espátula de silicone, até obter a consistência. Espalhe sobre o bolo já frio. Aguarde a cobertura secar (cerca de 20 minutos).

domingo, 23 de junho de 2013

Bolo de maçã de liquidificador




Este foi meu primeiro bolo a quatro mãos. Minha filha, de tanto assistir comigo os programas culinários, acabou assistindo ao Junior Master Chef Austrália e ficou entusiasmada pra aprender a cozinhar, e queria fazer um bolo.
Como ela está começando, resolvi fazer uma receita simples pra ela se familiarizar com a cozinha, e como tinha maçãs na geladeira que iam acabar estragando, resolvi fazer esta receita de liquidificador.


olha a casquinha que o açúcar cristal faz no bolo


INGREDIENTES:

2 xícaras de farinha de trigo
2 xícaras de açúcar (usei o demerara)
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 colher (sopa) de canela em pó
1 pitada de sal
1 xícara de leite
3 maçãs pequenas picada (com casca)
3 ovos
1/2 xícara de óleo

PREPARO:
Bata no liquidificador, os ovos, o óleo, o açúcar. Acrescente o leite, a maçã e a canela em pó. Bata novamente. Despeje esta mistura numa tigela e vá acrescentando a farinha aos poucos e batendo com um fouet e por último o fermento (você pode bater tudo no liquidificador, mas como o meu não cabe a receita inteira eu faço desta maneira. Unte uma assadeira com bastante margarina e polvilhe açúcar cristal. Coloque a massa e leve para assar em forno preaquecido até ficar douradinho por fora e enfiando um gardo ou palito eles sairem limpos. Para a casquinha de açúcar ficar visível é preciso desenformar e depois virar o bolo de cabeça pra baixo de novo.

domingo, 9 de junho de 2013

Arroz doce de leite ninho

A história deste doce é bem simples...eu cansei de comer o mesmo arroz doce que sempre fiz a vida inteira e pela primeira vez resolvi mudar a receita. Uma amiga minha deu uma idéia, numa conversa, de como ela fazia o arroz doce dela...e PRONTO. Aqui está ele.
#simpplesassim


Ingredientes:
Duas xícaras de arroz arbóreo
2 litros de leite
1 lata de leite condensado
1 pacotinho de creme de leite
canela
1/2 lata de leite ninho
raspas de limão siciliano

Preparo:
Coloque o arroz e o dobro de água numa panela no fogo baixo até a água começar a secar.
Neste ponto junte o leite e o leite condensado e mexa bem.
Vá adicionando o leite ninho nesta mistura aos poucos (ainda no fogo) e mexendo bem com um fouet pra não ficar com pelotes do pó do leite.
Coloque as raspas de limão siciliano à vontade
Deixe ferver e vá sempre mexendo até o arroz estar cozido e ter um creme ainda no arroz (sem secar) pois depois que for pra geladeira, se não estiver molhadinho, ele fica muito seco e duro.
Coloque toda a mistura num recipiente, polvilhe com canela e leve pra geladeira.





sábado, 1 de junho de 2013

Torta de coco e chocolate amargo




Depois que a gente cozinha há muito tempo vai ficando cada vez mais difícil seguir uma receita. Sempre que pego uma receita já saio pensando: "podia trocar este leite por leite de coco" ou coisas deste tipo. Ainda mais com a mania que tenho de fazer comidas pra acabar com o que tenho na despensa, daí é que mudo mais ainda.
Não foi diferente com esta receita. Ela é uma variação de outra receita que vi e ficou uma delícia e qualquer um pode trocar os sabores e recheios e fazer com aquilo que mais gosta ou que tem na mão em casa.


Ingredientes:
200g de farinha de trigo
50g de farinha de amêndoa
120g de açúcar
1 pitada de sal
3 ovos
300ml de leite de coco
80g de manteiga derretida
coco ralado à vontade
chocolate 70% cacau picado à mão e à vontade
açúcar de confeiteiro




Preparo:
Preaqueça o forno a 200oC e unte uma fôrma de torta de 30 cm com manteiga
Em uma batedeira coloque as farinhas, o açúcar e o sal e vá juntando os ovos um a um, batendo em velocidade média.
Quando a massa estiver macia, coloque a manteiga derretida e continue batendo em velocidade baixa e acrescentando o leite de coco até a massa ficar bem lisa.
Espalhe o coco e o chocolate pela fôrma untada e coloque a massa por cima e leve ao forno por cerca de 30 minutos ou até ela ficar firme e dourada.
Polvilhe açúcar de confeiteiro e sirva.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Pão de Mel Judaico



Fazia muito tempo que eu queria fazer uma receita judaica...coisas de família. Então, depois da minha mudança, resolvi pegar todas as minhas 345.698 revistas de culinária que não tinham mais espaço na minha casa e resolvi só tirar as páginas daquelas receitas que eu realmente gostaria de fazer um dia e colocar tudo numa pasta pra aliviar espaço pra gente.
Nesta brincadeira acabei pegando um monte de receitas que eu tinha separado há tempos e fui separando por prioridade, e acabei garimpando esta que foi muito bem garimpada. É divina e fácil de fazer, como sempre.

Ingredientes:
4 ovos (claras separadas das gemas)
250g de açúcar peneirado
1 xícara de mel
1/2 xícara de café forte
1/2 xícara de óleo de milho
1 e 1/2 colher de chá de bicarbonato
350g de faringha de trigo peneirada (+ um pouco para polvilhar a fôrma)
1 xícara de amêndoas laminadas
óleo para untar




Modo de fazer:
Dissolva o bicarbonato no café e reserve.
Bata as claras em neve e incorpore o açúcar e as gemas. Continue batendo até a mistura triplicar de volume.
Com a batedeira desligada, acrescente o mel, o café com bicarbonato, o óleo, a farinha de trigo e, por último as amêndoas. Misture delicadamente.
Unte a fôrma com óleo e farinha e despeja a massa de bolo nela.
Leve o bolo para assar no forno preaquecido a 180oC por 20 minutos. Diminua a temperatura para 150oC e asse até fazer o teste do palito e o mesmo sair limpo.


segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Caprese ao forno



Pra nós duas aqui em casa não tem coisa mais gostosa do que comer uma boa e velha bruschetta nos fins de semana. è sempre uma opção saborosa, light e muito fácil de fazer.
Esta é um pouquinho mais elaborada do que as que costumo fazer e por isso tem um sabor tão diferenciado.
É sempre assim quando a gente usa ingredientes simples e de primeira qualidade.

E já que eu faço tanta bruschetta e gosto tanto resolvi pesquisar um pouquinho sua origem e pra quem achar interessante (antes da receita) aprenda um pouco.


A bruschetta surgiu no período da Antigüidade, entre os trabalhadores rurais italianos, que inventaram a fórmula para aproveitar as sobras dos pães do dia anterior. E a receita deu tão certo que passou a ser apreciada em todo o território, em diversas formas. 
 
A bruschetta pode substituir de forma muito agradável as pizzas. O antepasto à base de pão tostado, assim como a pizza, pode ser preparado com as mais variadas combinações e é também um ótimo acompanhamento para as reuniões à mesa. 
 
Já a pizza, que chegou ao Brasil na bagagem dos imigrantes italianos por volta do século XX, ao contrário do que muitos pensam, é uma invenção dos egípcios, os verdadeiros criadores da massa à base de farinha. 
 
A palavra bruschetta deriva de “bruscato” que em italiano significa tostado ou torrado e tem origem nas regiões do Lazio e de Abruzzo. Na região de Toscana o antepasto é chamado “fetunta”, de “fetta unta”, que na Itália quer dizer fatia untada. 
 
A clássica bruschetta é feita com uma fatia de pão italiano rústico, de farinha escura e grossa, de casca dura, tostada na grelha, esfregada com alho, untada com abundante azeite e polvilhada com sal e eventualmente com pimenta-do-reino. 
 
Há, porém, incontáveis variações para se preparar uma boa bruschetta. Na Toscana, o pão local, feito sem sal é guarnecido com "fagioli al fiasco", ou seja, feijão branco cozido com ervas e alho ou então, com "cavolo nero", couve picado bem fininho e aferventado em água e sal. 
 
Como os pães italianos são diversificados, variando de região para região, a bruschetta possui sabor e aparência com características distintamente regionais. Na Puglia e na Campania, por exemplo, é feita com um pão crocante, chamado "frisella" ou "frisedda". Na Calábria, Sicília e Basilicata, a bruschetta é feita com um pão comprido de semolina e sementes de gergelim, guarnecido com tomates, azeite e orégano. (fonte: http://www.cantinavillaitalia.com.br/)


Ingredientes:

4 fatias de pão italiano
1 tomate
4 bolinhas e mussarela de búfala
6 azeitonas pretas
2 filés de anchova em conserva
parmesão ralado
azeite e sal
manjericão fresco

Pra ser bem honesta com vocês eu não sou fã de anchovas e azeitonas, então dei uma adaptada na minha receita, mas vou colocar aqui a receita original e quem quiser pode me perguntar sobre minhas mudanças ok?





Modo de preparo:
Corte o tomate em fatias e as mussarelas ao meio. 
Tire o caroço das azeitonas e pique-as finamente, juntamente com os filés de anchova, para obter um creme. Se precisar use um pilão para amassar os dois juntos.
Espalhe azeita numa assadeira e acomode as fatias de pão. Tempere-as com mais azeite e sal. Em seguida coloque as fatias de tomate (2 rodelas em cada pão) e passe o creme de azeitonas e anchovas por cima delas. Por último, acrescente a mussarela (meia bolinha em cima de cada tomate) e o parmesão.
Leve ao forno a 220 oC por 15 minutos. Retire e coloque o manjericão enfeitando por cima e sirva quente.